Neste texto eu vou falar para vocês sobre o comportamento de alguns clientes antes mesmo do início da sua contratação como prestador de serviço. É que tem alguns deles que depois de darem um cumprimento de bom dia, por exemplo, já engatam logo um: Quanto custa o seu trabalho?

Pois é, nada fácil, mas não é impossível se colocar e mostrar ao cliente que outras etapas devem ser cumpridas até o momento de se lidar com preços e orçamentos detalhados.

A primeira questão é: o seu serviço é igual ao do concorrente? Se a resposta for SIM. Ferrou, o cliente vai fazer realmente uma cotação e o preço menor será o que ele vai contratar.

Agora, se você tiver um diferencial competitivo, está aí o seu Baú da Felicidade (rsrsrs).

Quando o cliente só perguntar o preço, pergunte a ele qual é a real necessidade da procura do serviço, ouça o seu cliente, ou seja, invista tempo nessa relação.

Daí você terá algo que poucos fazem que é: entender a real necessidade daquele serviço. E a partir daí ficará mais fácil você cobrar um valor justo diante da demanda apresentada.

E se, mesmo assim, o cliente vier ainda com a insistência de saber quanto custa sem antes você realizar o levantamento dessa necessidade? Atenção, atenção, temos um alerta vermelho, pois ele pode ser uma armadilha pra você.

Essa atitude dele já é um indicativo de que podem surgir  alguns problemas no atendimento. Porque, o atributo principal dele é o preço e não a qualidade da sua prestação.

Sempre vai valer a pena você avaliar o perfil do cliente durante as primeiras tratativas do negócio. Afinal de contas, você não é um prestador de serviços qualquer, mas certamente você quer ser reconhecido pela qualidade da sua atuação e levar resultados para os seus clientes.

Então, fique ligado nisso.

E eu vou ficando por aqui. Um grande abraço pessoal!!!